28 Abr 2020

Especialista em BigData é uma das carreiras mais promissoras do ano

Mercado de trabalho tem oportunidades para profissionais de gestão de banco de dados, com bons salários e possibilidades de ascensão

Nem moda, nem tendência. Fazer a gestão de dados já é uma realidade para todos os tipos de negócios no Brasil. Impulsionado pela revolução digital, o mercado percebeu que captar, tratar e analisar informações é uma necessidade estratégica. Uma pesquisa realizada em 2018 pela Experian identificou que 91% das empresas consideram o gerenciamento de dados essencial para conduzir os negócios de forma mais eficiente.

Não é por acaso que as oportunidades de trabalho na área surgem a todo instante. De acordo com o relatório “Profissões Emergentes” elaborado pelo LinkedIn, a maior parte das vagas em 2020 será ocupada por profissionais de TI com especialização em gestão de dados – o engenheiro de dados ocupa o sexto lugar no ranking. “Espera-se que essas pessoas possam oferecer insights sobre o mercado, produtos e processos para as organizações, norteando as estratégias na busca de caminhos mais efetivos para o resultado e a sustentabilidade”, analisa Ricardo Nabhen, Coordenador do Centro de Inovação de Redes e Sistemas em Nuvem da PUCPR.

O que faz um gestor de dados?

Durante muitos anos, a responsabilidade pelas informações da empresa ficava a cargo da área de TI. Mas a tecnologia e a digitalização de muitos processos geraram um novo universo de dados que são utilizados para as mais diversas finalidades. É possível otimizar linhas produtivas – do campo à indústria – analisando informações enviadas por robôs, desenhar estratégias de marketing com base no comportamento online do consumidor e gerenciar operações inteiras com base em dados. Muitas vezes, são extraídos de pontos distintos do negócio e é aí que entra a capacidade analítica do profissional da área: “é preciso desenvolver a habilidade de utilizar e integrar uma grande diversidade de fontes de dados, muitas vezes em formatos heterogêneos”, explica Nabhen.

As possibilidades de atuação vão desde a área técnica até níveis gerenciais, como o CDO (Chief Data Officer), responsável pela gestão de todos os dados de uma empresa. Os salários variam entre R$ 12 e R$ 15 mil para profissionais especialistas, chegando a R$ 30 mil para funções gerenciais. O conjunto de habilidades necessárias para atuar na área é um grande diferencial para quem se especializa em gestão de dados e informações. “Além da competência técnica para manter a integridade, a privacidade, a integração, o acesso e a extração de informações relevantes a partir da grande massa de dados normalmente mantida pelas corporações, outras habilidades como colaboração, liderança, flexibilidade e comunicação, conhecidas como soft skills, também são de fundamental importância para o profissional”, destaca Nabhen.

Como especializar-se na área?

Na PUCPR, o curso de Gestão de Banco de Dados e BigData tem um currículo amplo, atualizado com as necessidades mais recentes do mercado de trabalho. Há aulas ministradas em laboratório, desenvolvimento de projetos orientados à ciência de dados e disciplinas para quem pretende atuar com bancos de dados específicos, como Oracle. “Também há um eixo de formação na área de gestão de TI e inovação, importantes para aqueles que buscam progressão na carreira para ocupar funções gerenciais”, conclui Ricardo Nabhen.